Patrão Negro, Esposa Arrombada

A entrevista de trabalho tinha corrido bem à Jessica, foi já perto da hora de jantar que recebeu a noticia, o trabalho era dela !

Festejamos nessa mesma noite e notei que estava mais excitada do que era habitual. Depois do jantar pensamos em ir a um motel bem perto da capital. Mas a tesão era tanta que não saímos do parque de estacionamento que àquela hora estava quase vazio, talvez devido à forte chuvada. Os beijos intensos, o meu pau a latejar. Baixei lhe a cabeça e ela rapidamente tirou a minha verga de dentro das calças, mamou durante pouco tempo e rapidamente tirou as cuecas e levantou a saia, encaixou se no meu colo.

Patrão Negro, Esposa Arrombada

De manha senti que estava muito animada com o novo trabalho, saiu cedo e bem disposta. O tempo estava quente apesar da chuvada do dia anterior, era Agosto e a sua roupa de primeiro dia de trabalho me deixou um pouco pensativo, um vestido florido, leve, ligeiramente acima do joelho, decotado, perfumada, cabelos loiros presos num totó comprido, e claro umas sandálias confortáveis, mas bem altas que no conjunto lhe davam aquele ar de menininha inocente mas safada. Tive vontade de a foder ali mesmo na hora, mas o tempo era curto a apressamo-nos a sair os dois. Combinamos que a iria buscar ao fim do dia, mas que ligaria primeiro para saber se podia subir até ao escritório.

18Horas

Atrasei me numa reunia e sai a correr do trabalho para a finalmente ir buscar ao trabalho. A caminho tentei ligar-lhe varias vezes mas sem sucesso, o telefone estava desligado, provavelmente sem bateria pensei eu….Ao chegar ao prédio perguntei ao segurança qual o andar da empresa, ele indicou-me mas disse me que já tinha saído toda a gente segundo a sua folha de controlo, à exceção da funcionaria nova e do diretor da empresa e de uns convidados.

Achei estranho, mas resolvi subir para ir buscar a Jéssica. O elevador parou no 10º andar, a porta abriu e dei de caras com um espaço amplo, aberto com um “aquário” ao fundo onde seria provavelmente o gabinete da direção. Como não vi ninguém fui andando em direção a esse local. à medida que fui andando fui ouvindo alguém a falar lá dentro, umas vozes pareciam bem grossas e zangadas a outra mais baixa e tímida, parecia Jéssica !!!! Será que estava logo no primeiro dia a ser despedida???? Assim que me aproximei mais percebi que todas as persianas do gabinete estavam fechadas, mas uma delas não totalmente. Estava prestes a bater à porta , quando oiço Jessica a implorar para não a despedirem, que fazia tudo para não ser despedida, e que precisava mesmo daquele emprego. Uma das vozes respondeu que não havia hipótese, tinham cancelado a vaga porque a empresa ia ser comprada por Angolanos e não iam contratar ninguém até a operação estar concluída. E que o Diretor da empresa Angolana estava ali para finalizar a operação. Percebi então que ela estava acompanhada pelo seu Chefe, e por duas outras pessoas, que possivelmente seriam da empresa Angolana. Espreitei e confirmei isso mesmo. O chefe, estava com o fato da empresa, era baixo, com barriga, mas com um porte largo, pernas grandes e mãos com aspecto bem pesado. Os outros dois estavam sentados num sofá branco, todos vestidos de preto, um deles parecia na casa dos 50, mas bem constituído, barba grande bem delineada e fio de ouro ao peito, a fumar um charuto. O outro tinha aspecto de guarda costas, mais novo, bem alto, cabelo curto, todo ele era grande, cara, braços grossos, pernas bem fortes aparentemente e postura muito firme e fechada, talvez ex-jogador de basquete que pelo seu tamanho se tornou segurança privado.

Diretor: Não posso fazer nada Jessica, não está nas minhas mãos.

Jéssica: Por favor preciso deste emprego

Diretor: Está nas mão deles, não posso fazer nada.

Jessica começou a chorar, e eu resolvi que ia entrar. De repente o Angolano mais velho levantou-se, olhou Jéssica de alto a baixo e com um ar superior e arrogante disse.( nesta altura nao sei porque lembrei me de filmar a cena, porque podia sempre ser usada contra eles caso acontecesse alguma coisa)

Chefe Angolano: A questão é simples vou comprar esta empresa e quero funcionários bem cumpridores e obedientes. Vamos fazer uma nova seleção de pessoal.

Nisto Jéssica desesperada aproxima-se dele e involuntariamente ajoelha-se à sua frente agarrando-se ás suas enormes pernas implorando que não a despeça. Rapidamente o segurança se levantou e pegou em Jéssica pelo rabo de cavalo com uma mão e com a outra no vestido puxou a como se uma pena se tratasse. Neste movimento o seu rabo ficou exposto, assim como a sua tanguinha fio dental que realçava aquele rabo delicioso. O Chefe Angola sorriu maldosamente, já o segurança nem reagiu.

Chefe Angolano : Ora, ora, o que temos aqui.

Jéssica tentou-se soltar mas o segurança nem se mexia, ela ameaçou gritar mas levou de imediato um estalo forte na cara, do Chefe Angolano que a deixou sem reação

Chefe Angolano: Se queres o trabalho vais fazer o que mandar, sem reclamar. Caso contrario toda a gente vai ficar a pensar que foste despedida porque andaste a foder com o teu chefe, queres?.

Jessica tentou responder mas rapidamente o segurança lhe tapou a boca.

Chefe Angolano: Não falas diretamente comigo, entendes, abanas simplesmente a cabeça.

E nisto o segurança usou a sua gravata para lhe tapar a boca.

Chefe Angolano : Carlão (segurança) despe-a.

Jéssica tentou debater se mas ele era demasiado forte, tirou-lhe os vestido e com as algemas que tinha consigo prendeu lhe as mãos atrás das costas, largando a e fazendo com que ficasse de joelhos. Jessica chorava. O Chefe Angolano sentou se no sofá e ordenou-lhe que fosse até ele de joelhos e baixou as suas calças , tirou os sapatos e por fim os boxers…..soltou se então um caralho ainda meio bomba, com dois sacos enormes, sem pelo algum e bem cheios de porra.

Jessica recusou, mas so teve tempo de sentir uma mão enorme puxar o seu rabo de cavalo e arrasta la ate ao sofá, ficou com a cara no chão e o rabo espetado, foi então que se ouviu uma palmada tão forte que ecoou pele escritório inteiro, ela com a boca tapada so conseguiu gemer impotente para fazer algo. O Chefe ordenou que ela lambesse as suas bolas, e ela recusou novamente, levou então mais uma valente mãozada naquele rabo que ainda estava vermelho da outra palmada.

A custo lá se ergueu, ficou à altura das enormes bolas e começou a lamber timidamente. O contraste era grande, cabelo loiro e pele clara, no meio de umas pernas enormes negras e de um pau que começava a crescer rápida e firmemente, para além de que o seu rabo estava agora bem espetado à mercê e as suas calcinhas estavam ja a ficar húmidas….

Foi puxada para cima para enfiar a boca naquele caralhao duro como pedra, a gravata foi desapertada da boca, mas ela nem teve tempo de se recompor, a sua boca era pequena, mas a cabeça era pressionada para baixo, para mamar naquele monumento…

Entretanto o Carlão já todo nu, parecia que tinha sido esculpido tal era a perfeição do seu corpo, atlético, viril, firme, pau grande ereto, firme com umas bolas enormes, posicionou-se atrás delas, branquinha a fazer um contraste enorme no meio daqueles dois corpos enormes negros.

Enquanto lutava para encher a boca com aquela verga, Jessica sentiu nova palmada na bunda, a sua tanga foi arrancada, ele tentou fugir, mas foi rapidamente agarrada, Carlão sentiu a sua coninha toda molhada, escorria de tesão, Carlão riu se como que a diz são todas iguais, gostam de pau preto na cona. Adoram!!! Carlão ergue-se como um cão a comer uma cadela, encostou a cabeça enorme do seu pau na coninha húmida….

Continua